Bibliotecas em quarentena

 Bibliotecas em quarentena

As bibliotecas, como parte fundamental das universidades, enfrentam continuamente novos cenários de mudanças e desafios. Desta vez não é a chegada da Internet, não é o dilema da mudança do papel para o eletrônico, nem o uso massivo do Google e de outros buscadores para tirar dúvidas ou trabalhar; Pela primeira vez, a visão futurista de fechar, de estar vazio, foi cumprida e não porque seus usuários perderam o interesse em ir, eles o fizeram por causa das restrições e precauções estabelecidas pela quarentena. Neste novo momento vital, as bibliotecas, como antes, devem encontrar uma forma de se adaptar e continuar contribuindo para o desenvolvimento de seus alunos e comunidade.

Neste momento, os usuários precisam continuar consultando e usando as informações para suas atividades acadêmicas, ausentes de aconselhamento personalizado da biblioteca, sem poder acessar treinamentos e com o Sci-hub à espreita, as bibliotecas têm o desafio de garantir que os conteúdos, serviços, e conselhos são fáceis de entender, de fácil acesso e, acima de tudo, atualizados regularmente.

Outras questões a serem levadas em consideração nas preferências dos usuários identificados são: (1.) Maior demanda por download de artigos de periódicos eletrônicos; (2.) Uma preferência por serviços de descoberta; e (3.) A capacidade desejada de procurar e recuperar informações no menor número de etapas possível. (Detlor e Lewis, 2006; Emde, Currie, Devlin e Graves, 2008; University College London, 2008).

Todas estas preferências do utilizador, juntamente com as diferentes ofertas de plataforma para aceder à informação, e as variáveis ​​identificadas pelas Ranking Libraries, permitem-lhe dotar os profissionais de bibliotecas e websites de elementos para conceber e construir websites dinâmicos, interactivos, orientados para o utilizador e com recursos para apoiar o ensino e a pesquisa.

Detlor, B., & Lewis, V. (2006). Sites de bibliotecas acadêmicas: prática atual e direções futuras. The Journal of Academic Librarianship, 32(3), 251–258. doi:10.1016/j.acalib.2006.02.007

Flórez, R.

Dejar un comentario

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *